TALVEZ PRESENTE NO CALENDÁRIO 2016 - 2º SEMESTRE

 

 

Egipto (br. Egito) é um país árabe do norte de África e do Médio Oriente, limitado a norte pelo marMediterrâneo, a leste com a Faixa de Gaza, com Israel, com o Golfo de Aqaba (através do qual faz fronteira com a Jordânia e com a Arábia Saudita) e com o mar Vermelho, a sul com o Sudão e a oeste com a Líbia. Sua capital é o Cairo.

O Egipto é uma república governada pela constituição de 11 de Setembro de 1971. Esta constituição estabelece no Egipto um estado socialista cuja religião oficial é o Islão.

O chefe de estado é o presidente da República, cargo ocupado por Hosni Mubarak desde 14 de Outubro de1981. O presidente é eleito para um mandato de seis anos, sem limite de termos. Até Maio de 2005 o presidente era nomeado pela Assembleia Popular, sendo a nomeação validada através de um referendonacional, mas uma emenda constitucional permitiu a eleição do presidente através de eleições directas com vários candidatos. No dia 7 de Setembro de 2005 foi realizada a primeira eleição presidencial da história do país, onde concorreram dez candidatos, entre eles Hosni Mubarak, que se consagrou como vencedor com 88.6% dos votos. As próximas eleições presidenciais estão agendadas para 2011.

O Egipto foi o primeiro país árabe a estabelecer a paz com com Israel depois da assinatura dos acordos de Camp David.

poder legislativo é exercido pela Assembleia Popular, parlamento unicameral composto por 454 membros. Destes, 444 são eleitos por voto popular para um mandato de cinco anos; os restantes 10 são nomeados pelo presidente da República. A Assembleia Popular tem entre as suas funções aprovar oorçamento, fixar os impostos e aprovar os programas de governo. Para além da Assembleia, existe um Conselho de Assessoria composto por 264 membros, 176 dos quais são eleitos através de voto popular e 88 nomeados pelo presidente.

O Egipto encontra-se dividido em 26 governadorias, cada uma administrada por um governador nomeado pelo presidente. Os governadores são auxiliados na sua acção governativa por conselhos locais, cujos membros são eleitos.

Além da capital, Cairo, as outras cidades importantes do Egipto são Alexandriaal-MansurahAssuão,AsyutEl-Mahalla El-KubraGizéHurghadaLuxorKom OmboPort SafagaPorto SaidSharm el Sheikh,Shubra-El-KhemaSuez e Zagazig.

O Egipto inclui partes do deserto do Saara e do deserto Líbio, onde existem alguns oásis, como o oásis deBahariya, o de Dakhleh, o de Farafra, o de Kharga e o de Siwa.

Egipto faz fronteira com a Líbia a oeste, o Sudão a sul e Israel a nordeste. O país controla o canal de Suez, que liga o Mediterrâneo ao mar Vermelho.

O papel importante que o Egipto desempenha na geopolítica vem da sua posição estratégica como ponte terrestre entre a África e a Ásia e como ponto de passagem entre o Mediterrâneo e o oceano Índico.

Grande parte das riquezas do país encontra-se nas reservas minerais de ferropetróleogás naturalfosfatos,sal e argila.

 Assuan

Cerca de 70% da indústria está nacionalizada, sendo dominante a actividade associada ao petróleo e ao gás natural. O investimento estrangeiro tem permitido a realização de vários projectos económicos. A agricultura ocupa 40% da população e representa 20% do Produto Interno Bruto (PIB), englobando a cana-de-açúcar, omilho, o tomate, o trigo, a laranja, o sorgo e o algodão.

Mas, como a taxa de natalidade é muito alta, o país tem necessidade de importar vários bens alimentares. Os principais parceiros comerciais do Egipto são os EUA, a Itália, o Reino Unido e a Alemanha.

O Egipto tem um PIB de aproximadamente 200 bilhões de dólares, segundo o método Paridade de Poder de Compra (PPP).

A população do Egipto ronda os 79 milhões de habitantes, o que faz do país o segundo mais populoso deÁfrica. Esta população encontra-se concentrada nas margens do Nilo, no Delta e na região próxima ao Canal de Suez.

esperança média de vida é para os homens de 68,8 anos e para as mulheres de 73,9 anos.

Os Egípcios são os descendentes da população autóctone do Antigo Egipto que se misturou com os árabes a partir do século VII. Na região de Delta encontram-se populações que são descendentes de gregos, romanos e turcos.

Cerca de 42% dos egípcios vivem em cidades. As mais populosas são o Cairo (a cidade mais populosa do continente africano com 6 789 000 habitantes, segundo dados de 1998) e Alexandria (3 328 000 habitantes). Ao longo do século XX verificou-se uma migração das populações rurais para as cidades, o que se traduziu no surgimento nestas de problemas de saneamento básicopoluição e falta de habitações condignas.

Os Núbios são um grupo minoritário do país, oriundo de uma região corresponde ao sul do Egipto e ao norte do Sudão. Quando as suas terras foram submergidas pelo Lago Nasser, os Núbios tiveram que mudar-se para Kom Ombo. No século XIX fixaram-se no Egipto comunidades estrangeiras compostas por gregos, italianos, britânicos e franceses; desde que se deu a independência do país estas populações tem vindo a diminuir. A outrora vibrante comunidade judaica egípcia praticamente desapareceu; alguns judeus visitam o país em ocasiões religiosas.

Religião

Segundo dados oficiais, 90% dos egípcios são muçulmanos sunitas, menos de 1% muçulmanos xiitas e 8% são cristãos.

A população cristã egípcia habita sobretudo no sul do país e nas cidades do Cairo e de Alexandria. A maioria destes cristãos pertencem à Igreja Ortodoxa Copta. Outras comunidades cristãs presentes no país são a arménia apostólica, a católica, a grega ortodoxa e a síria ortodoxa. Os protestantes incluem dezesseis denominações. As Testemunhas de Jeová e a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, embora presentes no território, não são reconhecidas pelo estado.

Ø  LOCALIZAÇÃO: nordeste da África
FUSO HORÁRIO: + 5 horas em relação à Brasília
CLIMA do Egito
 : árido subtropical.
CIDADES do Egito (PRINCIPAIS)
: Cairo, El Gîza, Alexandria.
COMPOSIÇÃO DA POPULAÇÃO:
 árabes egípcios 98%, árabes beduínos 1%, núbios 1% (dados de 1996).

Ø  IDIOMA: árabe (oficial)

Ø  RELIGIÃO: islamismo 90% (sunitas), cristianismo 10% (em 1990).

Ø  DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 68,4 hab./km2

Ø  CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: 1,9% ao ano (1995 a 2000)

Ø  TAXA DE ANALFABETISMO: 44,7% (censo de 2000).

RENDA PER CAPITA: US$ 1.290 (em 1998).

Ø  ECONOMIA:
Produtos Agrícolas:
 algodão em pluma, arroz, trigo, cana-de-açúcar, milho, tomate.
Pecuária: búfalos, ovinos, caprinos, aves
Mineração: petróleo, gás natural, manganês, sal de fosfato, minério de ferro, urânio, carvão.
Indústria
: alimentícia, refino de petróleo, têxtil.


Escritório Comercial em São Paulo
Av. Paulista 726, 8º andar, Conj. 802
CEP 01.310-910 - São Paulo, SP
tel. (0xx11) 3284-8184
fax (0xx11) 3283-5187

Embaixada do Egito em Brasília
SEN Av. das Nações Lote 12 - Cep: 70.435-900 - Brasília, DF
Telefone: (55 61) 323-8800, Fax: (55 61) 323-1039, e-mail: embegito@opengate.com.br

Consulado Geral no Rio de Janeiro
Rua Muniz Barreto, 741 - Botafogo - Cep: 22.251-090 - Rio de Janeiro, RJ
Telefone: (55 21) 2554-6664/6318, Fax: (55 21) 2552-8997

 

Sharm el Sheikh está na península do Sinai, junto do Mar Vermelho. É a maior estação balnear do Egito. É reputada por causa da grande quantidade de corais na sua costa.

mar Vermelho (árabe:Bahr el-Ahmar, hebraico Yam Suf ou Hayam Haadóm) é um golfo do oceano Índico entre a África e a Ásia. Ao sul, o mar Vermelho comunica com o oceano Índico pelo estreito de Bab el Mandeb e o golfo de Aden. Ao norte se encontram a península do Sinai, o golfo de Aqaba e o canal de Suez (que permite a comunicação com o mar Mediterrâneo).

O mar Vermelho tem um comprimento de aproximadamente 1 900 km, por uma largura máxima de 300 km e uma profundidade máxima de 2 500 metros na fossa central, com uma profundidade média de 500 metros, sua água tem um percentual de salinidade de 40%. O mar Vermelho é famoso pela exuberância de sua vida submarina, sejam as inúmeras variedades de peixes ou os magníficos corais. A superfície do mar Vermelho é de aproximadamente 450 000 km², com uma população de mais de 1 000 espécies de invertebrados, de 200 espécies de corais e de ao menos 300 espécies de tubarões.

As temperaturas na superfície do mar Vermelho são relativamente constantes, entre 21 e 25 °C. A visibilidade se mantém relativamente boa até 200 metros de profundidade, mas os ventos podem surgir rapidamente e as correntes se revelarem traiçoeiras.

A criação do mar Vermelho é devida à separação das placas tectónicas da África e da península arábica. O movimento começou há cerca de trinta milhões de anos e continua atualmente, o que explica a existência de uma atividade vulcânica nas partes mais profundas e nas margens. Admite-se que o mar Vermelho transformar-se-á em um oceano, como propõe o modelo de John Tuzo Wilson.

O mar Vermelho é um destino turístico privilegiado, principalmente para os amantes de mergulho submarino.

Os países banhados pelo mar Vermelho são o Djibuti, a Eritréia, o Sudão, o EgitoIsrael, a Jordânia, aArábia Saudita e o Iêmen.

Algumas cidades costeiras do mar Vermelho: AssabPort SoudanPort SafagaHurghadaSuezSharm el SheikEilatAqabaDahadJeddaAl Hudaydah.

Ao contrário do que possa parecer, o Mar Vermelho, braço do Oceano Índico entre a costa da África e a Penísula Arábica, não tem esse nome por causa de sua cor. De longe suas águas têm um aspecto azulado. Normalmente são também bastante límpidas, o que faz que a região seja utilizada para atividades de mergulho.

A mais provável origem do nome são as bactérias trichodesmium erythraeum, presentes na superfície da água. Durante sua proliferação elas deixam o mar com manchas avermelhadas em alguns lugares. Outra possibilidade são as montanhas ricas em minerais na costa arábica, apelidadas de "montanhas de rubi" por antigos viajantes da região.

 

Thistlegorm

Naufrágio da 2ª. Guerra Mundial que possui em seu interior jipes, motocicletas, tanques de guerra e até uma locomotiva.*

 

 

Um pouco sobre os pontos de mergulho do Mar Vermelho

RAS MOHAMMAD:

Shark Reef e Yolande, guarde bem esses nomes. São os dois melhores points do lendário Parque Nacional Marinho de Rãs Mohammad, bem na ponta da Península do Sinai. Na "laguna" que se forma entre os dois recifes encontram-se os peixes de sempre, mas em cardumes como você provavelmente nunca viu. No auge do verão (julho e agosto), quando as correntes estão particularmente fortes, mergulhadores de boa resistência nas pernas podem se aventurar em direção ao azul. Logo que o recife desaparece atrás do grupo, uma mancha enorme começa a tomar forma adiante. Costuma ser um cardume de barracudas, mas também pode se revelar um gigantesco amontoado de pargos ou xaréus. Vale a pena madrugar para chegar a Shark Reef e Yolande antes das outras embarcações. Como o próprio nome de um dos recifes indica, tubarões são vistos com freqüência no local. Mas eles buscam águas bem mais profundas assim que percebem o aumento do trânsito de barcos. Importante: jamais subestime as correntes e siga à risca as instruções do guia. Nunca houve um acidente fatal, mas não são raros os registros de mergulhadores perdidos à deriva por algumas horas. A profundidade média é de 20m, chegando até 50m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

JACKSON REEF:

Todos os dias do ano, às 10h00 da manhã, dezenas de barcos carregados de mergulhadores se aproximam de Jackson Reef, o melhor dos três recifes (Thomas, Woodhouse e Jackson) localizados no estreito de Tiran. Portanto, mais uma vez vale a dica: escolha uma operadora que se antecipe às demais ou que, no mínimo, seja rigorosamente pontual em suas saídas. Como acontece em Rãs Mohammad, explorar Jackson Reef sem outros grupos por perto pode ser a experiência da sua vida. Os paredões desse recife são os mais espetaculares de toda a região do Sinai. Constantemente abastecido com os nutrientes trazidos pela corrente, ele é densamente povoado por corais moles e calcários. Gorgônias gigantes também são abundantes e a variedade de peixes impressiona até os mergulhadores mais acostumados com a exuberância típica do Mar Vermelho. Graças à corrente, extremamente forte em certos dias, a presença de pelágicos é comum. Grandes cardumes de barracudas e xaréus são vistos com freqüência, além de duas ou três espécies de tubarões. Tubarões-martelos são uma raridade, mas também podem ser vistos nos setores mais profundos do recife. A profundidade média é de 20m, chegando até 40m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

DAHAB CANYON:

Imagine um canyon começando aos 15m, em um buraco do tamanho de um homem bem no meio do recife, e seguindo até os 54m de profundidade, onde finalmente se abre para o mar aberto. Corais em profusão, grandes cardumes de peixes-vidros, garoupas, moréias, unicórnios... Durante todo o mergulho se pode ver a coluna d'água, azul e livre de obstáculos, logo acima da garganta submersa. Mas o recife praticamente se fecha sobre os mergulhadores. Não há espaço entre as duas "paredes" que possa ser usado como escape. A primeira saída só é alcançada aos 30m de profundidade. Assim é o mergulho em Dahab Canyon, na Península do Sinai, poucos quilômetros ao norte do povoado que lhe empresta o nome. Vale lembrar: só devem considerar a hipótese de chegar ao fim do canyon mergulhadores com muita experiência em águas profundas. E mesmo os mergulhadores mais experientes são desaconselhados a chegar aos 54m de profundidade. A região de Dahab é recordista em acidentes fatais. A profundidade média é de 20m, chegando até 54m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

STINGRAY STATION:

No Mar Vermelho, nem sempre um ponto de mergulho faz justiça ao seu nome. Por exemplo: Shark's Bay, nas proximidades de Naama Bay, é o último lugar do mundo a ser visitado se a sua intenção é mergulhar com tubarões. O mesmo vale para o point chamado Shark Observatory, em Rãs Mohammad. Seria mais fácil ver um camelo mergulhando do que encontrar um tubarão naquelas águas. Jackfish Alley, também em Rãs Mohammad, é outro desses casos. Naquele recife você verá em abundância todo tipo de peixe, menos os cardumes de xaréus e outros pelágicos que lhe deram o nome. Stingray Station, porém, é exatamente o que seu nome sugere: uma verdadeira estação de arraias. Em nenhum outro lugar você encontrará tamanha concentração desses animais. Durante o dia, no entanto, o mergulho pode decepcionar pela visibilidade, muito aquém daquilo que se espera do Mar Vermelho. O melhor de Stingray Station está no mergulho noturno, quando só se enxerga aquilo que o faixo de luz da sua lanterna alcança. Cinco ou seis espécies de arraias são vistas com muita facilidade, inclusive arraias-elétricas. Sem falar dos outros animais típicos da noite, como moréias, lagostas e as belíssimas dançarinas espanholas. A profundidade média é de 18m, chegando até 30m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

THISTLEGORM:

Este naufrágio da 2ª Guerra Mundial não se tornou um dos mais visitados do mundo por mero acaso. Levemente adernado, entre 17 e 33m de profundidade, o HMS Thistlegorm tem nada menos que 126m de comprimento e afundou no Golfo de Suez levando dezenas de veículos militares, entre tanques, caminhões e motocicletas. Há muita luz e pouquíssimas restrições no interior da embarcação. A fauna residente é exuberante. Dentro do Thistlegorm, cardumes gigantes de peixes-vidros lembram nuvens de purpurina0 quando a luz de alguma lanterna os ilumina. Do lado de fora, corais multicoloridos decoram os destroços e cardumes de xaréus são freqüentemente vistos pelos mergulhadores. Muitas caixas de munição permanecem submersas, principalmente no nível superior do naufrágio e no terceiro porão. Há capas de chuva e botas de borracha em vários pontos. Os primeiros turistas e explorar o Thistlegorm em operações comerciais, no início da década de 90, voltaram à superfície trazendo dúzias de relíquias, como rifles, estetoscópios, seringas e ampolas de morfina. Foram todos parar na cadeia, onde tiveram tempo de sobra para entender que as autoridades egípicias levam a sério a preservação de seu patrimônio histórico subaquático. A profundidade média é de 24m, chegando até 33m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

CARNATIC:

O Carnatic foi ao fundo em 1869, depois de se chocar contra os recifes de Abu Nuhas, no Golfo de Suez. Transportava cerca de US$ 60 mil em moedas de ouro, US$ 12 mil dos quais ainda estão no fundo, misturados à exuberante vida marinha que tomou conta do lugar. Cada centímetro das superfícies expostas do barco parece ter sido colonizado por corais. E praticamente todas as espécies de peixes recifais encontradas no Mar Vermelho podem ser vistas no naufrágio. Na verdade, o Carnatic se transformou em uma extensão do recife que o levou a pique. Não há restrições complicadas durante a penetração e é possível mergulhar, durante todo o tempo, com o sol como principal fonte de luz. A profundidade média é de 18m, chegando até 24m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

CARLESS REEF:

Distante da costa e isolado, Carless é um recife mundialmente famoso pela surpreendente população de moréias. Ele é formado basicamente por dois grandes pináculos que tocam a superfície em mar aberto. A profundidade no vale entre os dois não passa dos 16m, um programa perfeito para os que não estiverem interessados em mergulhos profundos. As paredes externas do recife, porém, descem a 40m ou mais e oferecem uma variedade de pequenas cavernas e reentrâncias aos mergulhadores experientes. A posição isolada de Carless e as águas profundas que o cercam fazem do recife um ótimo point para a observação de tubarões. Cardumes de xaréus, atuns e barracudas também são vistos com freqüência. Mas as grandes atrações são mesmo as moréias. Como os guias de mergulho da região trataram de "domesticá-las" ao longo dos últimos anos, muitas delas nadam livremente mesmo durante o dia, sem se importar com a presença de mergulhadores. A profundidade média é de 20m, chegando até 40m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

ABU KAFAN:

Em árabe, o termo Abu Kafan quer dizer "o profundo". Bem...logo no primeiro mergulho você vai descobrir o por quê. A face leste do recife parece um desfiladeiro. Florestas de corais negros (que, na verdade, revelam-se vermelhos como sangue sob o faixo de luz de uma lanterna!) e gorgônias gigantes cobrem a parede vertical como em poucos lugares do Mar Vermelho. Peixes pequenos, de todas as cores e formas, encontram abrigo entre elas. No platô mais ao norte do recife, onde correntes fortes são comuns, os cardumes de barracudas impressionam pelo tamanho. Tubarões também costumam freqüentar esse local, inclusive martelos. Portanto, mantenha sempre um olho no recife e o outro no azul. A profundidade média é de 20m, chegando até 40m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

ELPHINSTONE REEF:

Elphinstone é um longo recife com a forma de um dedo. Os paredões das faces leste e oeste descem a mais de 70m de profundidade, enquanto as extremidades norte e sul são caracterizadas pela formação de platôs. O platô norte é raso e oferece algumas extraordinárias possibilidades de mergulho livre. Já o platô sul é bem mais profundo: o mergulho só começa na faixa dos 30m. Um enorme arco natural pode ser visto nessa parte do recife, entre 50 e 70m de profundidade. Para a maioria dos mergulhadores recreacionais, ele está fora de alcance. Mas, para aqueles com treinamento em águas profundas, o mergulho é altamente recomendável. Diz a lenda que o sarcófago de um faraó desconhecido repousa logo abaixo do arco. De fato, é possível reconhecer o desenho de uma suspeitíssima estrutura retangular, como se fosse uma grande caixa, camuflada entre os corais a cerca de 60m de profundidade. A profundidade média é de 20m, chegando até 70m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

BROTHERS ISLANDS:

Big Brother e Little Brother, duas pequenas ilhas situadas em águas abertas, entre as cidades de Port Safaga e El Quseir, reúnem os únicos recifes de coral da região. Em outras palavras: elas funcionam como verdadeiros ímãs, atraindo uma quantidade inimaginável de pelágicos e peixes recifais. A vida marinha encontrada nas duas irmãs é muito mais que impressionante. Nos setores mais rasos, perto dos recifes, cardumes de unicórnios, pargos e cirurgiões costumam ser tão grandes que às vezes fica difícil saber onde eles começam e onde terminam. No azul, o espetáculo é proporcionado por tubarões de pelo menos 10 espécies diferentes, entre eles martelos e tigres. Até tubarões-baleias são vistos nas ilhas com relativa freqüência. Algo bastante incomum em outras partes do Mar Vermelho. A fama de Brothers Islands como um dos melhores points do mundo cresceu tanto entre mergulhadores europeus nos últimos anos que hoje há vários live-aboards especializados nas ilhas, onde eles passam ao menos uma semana inteira antes de seguir para outros destinos ou retornar ao continente. Só há um problema com os mergulhos em seus recifes: depois deles, será quase impossível encontrar lugar mais fascinante. A profundidade média é de 25m, chegando até 70m a profundidade do local, com visibilidade média de 20m.

 Museu Egípcio

 Entrada principal do Museu Egípcio

O Museu Egípcio é o mais importante museu do Egipto. Situado no Cairo, a capital do país, a colecção domuseu é composta por um imenso leque de mais de 136.000 antiguidades egípcias, reencontradas nas inúmeras escavações que se fizeram e fazem no Egipto.

museu abriu as portas ao público no ano de 1858, tendo no seu acervo uma coleccção doada por Auguste Marriette, um arqueólogo francês. Antes da sua inauguração o governo do Egipto tinha criado em 1835 o "Serviço de Antiguidades do Egipto" com a intenção de tentar evitar a pilhagem de antiguidades de estações arqueológicas. Em 1900 o museu foi mudado para um palácio neoclássico da autoria do arquitecto francêsMarcel Dourgnon na Praça Tahrir, onde permanece até aos dias de hoje.

Em 1902 foi aberta a biblioteca do museu, que é considerada como uma das melhores do mundo ao nível dos estudos sobre a civilização do Antigo Egipto.

O rés-do-chão do edifício possui quarenta e duas salas e o andar superior quarenta e sete.

museu é especialmente conhecido pelo tesouro do faraó Tutankhamon, que se conserva no seu interior.

Site oficial do museo: http://www.egyptianmuseum.gov.eg/

 

Piramides de Gizé

Estas três majestosas pirâmides foram construídas como tumbas reais para os reis Kufu (ou Quéops),Quéfren, e Menkaure (ou Miquerinos) - pai, filho e neto. A maior delas, com 160 m de altura (49 andares), é chamada Grande Pirâmide, e foi construída cerca de 2550 a.C. para Kufu, no auge do antigo reinado doEgito.

As pirâmides de Gizé são um dos monumentos mais famosos do mundo. Como todas as pirâmides, cada uma faz parte de um importante complexo que compreende um templo, uma rampa, um templo funerário e as pirâmides menores das rainhas, todo cercado de túmulos (mastabas) dos sacerdotes e pessoas do governo, uma autêntica cidade para os mortos. As valas aos pés das pirâmides continham botes desmontados: parte integral da vida no Nilo sendo considerados fundamentais na vida após a morte, porque os egípciosacreditavam que o defunto-rei navegaria pelo céu junto ao Rei-Sol. Apesar das complicadas medidas de segurança, como sistemas de bloqueio com pedregulhos e grades de granito, todas as pirâmides do Antigo Império foram profanadas e roubadas possivelmente antes de 2000 a.C.

A Grande Pirâmide, de 450 pés de altura, é a maior de todas as 80 pirâmides do Egito. Se a Grande Pirâmide estivesse na cidade de Nova Iorque por exemplo, ela poderia cobrir sete quarteirões. Todos os quatro lados são praticamente do mesmo comprimento, com uma exatidão não existente apenas por alguns centímetros. Isso mostra como os antigos egípcios estavam avançados na matemática e na engenharia, numa época em que muitos povos do mundo ainda eram caçadores e andarilhos. A Grande Pirâmide manteve-se como a mais alta estrutura feita pelo homem até a construção da Torre Eiffel, em 1900, 4.400 anos depois da construção da pirâmide.

Para os egípcios, a pirâmide representava os raios do Sol, brilhando em direção à Terra. Todas as pirâmides do Egito foram construídas na margem oeste do Nilo, na direção do sol poente. Os egípcios acreditavam que, enterrando seu rei numa pirâmide, ele se elevaria e se juntaria ao sol, tomando o seu lugar de direito com os deuses.

 

Pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos (da esquerda para a direita).

Um velho provérbio árabe ilustra isso: "O tempo ri para todas as coisas, mas as pirâmides riem do tempo".

Pouco se sabe a respeito do rei Kufu. As lendas dizem que ele era um tirano, fazendo de seu povo escravospara a realização do trabalho. É possível, porém que os egípcios comuns considerassem uma honra e um dever religioso trabalharem na Grande Pirâmide. Além disso, a maior parte do trabalho na pirâmide ocorreu durante os quatro meses do ano quando o rio Nilo estava inundado e não havia trabalho para ser feito nas fazendas. Alguns registros mostram que as pessoas que trabalharam nas pirâmides foram pagas com cerveja.

Foram necessários 100.000 trabalhadores por mais de 20 anos para construir a Grande Pirâmide. Foram usados mais de 2.000.000 de blocos de pedra, cada qual pesando em média duas toneladas e meia. Existem muitas idéias diferentes sobre o modo de construção daquela pirâmide. Muito provavelmente os pesados blocos eram colocados sobre trenós de madeira e arrastados sobre uma longa rampa. Enquanto a pirâmide ficava mais alta, a rampa ficava mais longa, para manter o nível de inclinação igual. Mas uma outra teoria é a de que uma rampa envolvia a pirâmide, como uma escada em espiral.

Existem três passagens dentro da Grande Pirâmide, levando às três câmaras. A maioria das pirâmides tem apenas uma câmara mortuária subterrânea, mas enquanto a pirâmide ia ficando cada vez mais alta, provavelmente Kufu mudou de idéia, duas vezes. Ele finalmente foi enterrado na Câmara do Rei, onde apedra do lado de fora de seu caixão - chamado sarcófago - está hoje. (A câmara do meio foi chamadaCâmara da Rainha, por acidente. A rainha foi enterrada numa pirâmide muito menor, ao lado da pirâmide de Kufu).

O paradeiro do corpo de Kufu é desconhecido, bem como os tesouros enterrados com ele. A pirâmide foi roubada há alguns milhares de anos. Todos os reis do Egito foram vítimas de ladrões de túmulos - exceto um, chamado Tutankhamon (ou Rei Tut Ankh Âmon'. Os tesouros de ouro da tumba de Tutankhamon foram descobertos em meio a riquíssimos tesouros por Lord Carnavon, em 1922.

Localização

 

Grande Pirâmide de Gizé - fotografia do século XIX

As pirâmides de Gizé estão localizadas na cidade de Gizé, e integra o Cairo, no Egito. Elas são as únicas das antigas maravilhas ainda de pé. Embora de natureza mística, para a construção dessas pirâmides, usou-se uma série de conhecimentos de trigonometria voltados as dimensões da terra redonda e projeções celestiais. Se a meridiana, do ponto em que se encontram até a interseção do indico com o continente africano, fosse dividida em 6.666.666 unidades,cada unidade equivaleria ao metro padrão e todas a sexta parte da circunferência da terra redonda. Da mesma forma até a linha do equador se medido em unidades chinesas

Construção

Começando por seu interior ela foi construída com blocos de pedra calcária, sendo que a camada externa das pirâmides foi revestida com uma camada protetora de pedras polidas e com um brilho distinto.

Era composta de 1,0 milhões de enormes blocos de calcário - estima-se que cada um pesa três toneladas.

Observa-se que o ângulo de inclinação de seus lados fizeram com que cada lado fosse orientado cuidadosamente pelos pontos cardeais.

Em todos os níveis da pirâmide a seção transversal horizontal é Triagular.

As teorias inventadas nos últimos séculos para explicar a construção das pirâmides sofrem todas de uma problema comum. O desconhecimento da ciência egipcia do Alto Império. Conhecimento este que foi recuperado apenas no final do século XX.

A teoria que melhor explica as construções das pirâmides sem encontrar contradições logísticas e sem invocar coisas extra-terrenas é a química, mas exatamente um ramo dela, a geopolimerização [1].Os blocos foram produzidos a partir de calcário dolomítico, facilmente agregado no local usando-se compostos muito comuns na época, como calsalitre e areia. Toda a massa dos blocos foi transportada por homens carregando cestos da massa, posta a secar em moldes de madeira. O esforço humano neste caso seria muito menor e o assentamento do blocos perfeito.

Contra a teoria da geopolimerização pesa nomeadamente o fato de que os antigos egípcios especializaram-se na extração e transporte de enormes blocos de pedra, tais como obeliscos de granito que chegavam a pesar mais de 300 toneladas. Ainda hoje é possível ver-se, em uma pedreira abandonada, em Assuã, o famoso obelisco inacabado, com mais de mil toneladas de peso, que tem servido como fonte de informações das técnicas utilizadas na extração de blocos de granito.

 

Pirâmide de Gizé, com a Esfinge na frente

Curiosidades

Acredita-se que foram empregados 100.000 mil homens durante 30 anos.

Outro dado curioso é que uma pista de auto-estrada, com 2,5 metros de largura aproximadamente e de espessura de 10Cm, partindo de Nova Iorque a São Francisco poderia ser facilmente acomodada em seu interior.

Se todos os blocos de pedra da piramide de Giza forem alinhados sobre a linha do equador, cobririam 2/3 do mesmo.

Para se ter uma idéia, apenas uma montanha sólida de pedra poderia suportar o peso magnífico dessas pirâmides.

A construção da pirâmide foi feita com pedras justapostas, ou seja "encaixadas", sem auxílio de cimento ou qualquer material colante, e alguns blocos estão tão bem unidos que não é possível passar entre eles uma folha de papel, até mesmo uma agulha!

Magnitude de sua construção

 

Vista sobre a Grande Pirâmide de GizéLuigi Mayer, aguarela sobre papel, meados da segunda metade do século XVIII.

 

Pirâmide de Gizé, litografia publicada em 1846Biblioteca do Congresso americano.

Existe uma formação de granito plana e compacta na parte baixa da superfície onde é sustentada.

Sua construção deu-se exatamente no ponto que corresponde ao centro da massa terrestre, o eixo leste-oeste corresponde ao paralelo mais longo que cruza a Terra.Isto quer dizer que passa pela ÁfricaÁsia e América.

meridiano mais longo que cruza a Ásia, África, Europa e Antártida também passa através da pirâmide.

Existe na Terra uma área suficiente de terrenos para oferecer 3 bilhões de possíveis locais para a construção das pirâmides acredita-se que as chances de uma escolha intencional são de 1 para 3 bilhões.

As quatro faces da pirâmide são ligeiramente encurvadas ou côncavas, não se pode perceber este detalhe quando se olha para cima, verificou-se isto por volta de 1940, por um piloto que fazia aerofotografias para conferir medições.

Todos aqueles blocos de pedra foram deliberadamente inclinados e entalhados com exatidão à curvatura da Terra.O raio dessa inclinação é igual ao raio da Terra.

As bases das paredes submersas da pirâmide contêm esferas e cavidades construídas em seu interior igual àspontes do século XX.

Do tamanho de vários campos de futebol, as pirâmides foram construídas para se adaptarem aos movimentos de expansão e contração sob a ação do calor ou do frio, ou mesmo terremotos e outros fenômenos da natureza, e após 4.600 anos, se não fosse todo esse cuidado, sua estrutura seria danificada seriamente sem esse tipo de construção.

Essas pedras de revestimento tão admirável já não existem mais, pois foram roubadas há cerca de 600 anos atrás. Atualmente sua aparência é muito desgastada, sofre com a ação dos ventos, das chuvas e dastempestades de areia.

O revestimento externo também foi concebido com blocos de pedra calcária compacta, de cor branca bem semelhante ao mármore. A pedra calcária é superior ao mármore em durabilidade e resistência aos elementos externos.

Outro fator que causa grande admiração é o espaço de 5mm dado para permitir a colocação de uma cola para selar e manter as pedras unidas. Essa cola era uma espécie de cimento branco que não permitia a entrada deágua. E nos dias atuais se encontra intacto, e é tão ou mais resistente que as pedras que as une.

O brilho dessas pedras era distinto e podia ser visto a centenas de quilômetros de distância, das montanhasde Israel era possível ver o brilho magnífico.

 

Dicas Importantes:

 

 

Ò  Os não-muçulmanos não podem visitar mesquitas durante as orações e, algumas delas não recebem visitas em nenhum momento. Vestimentas - Os homens não poderão entrar de calções e as mulheres, preferencialmente, de cabeça e braços cobertos, saias e vestidos longos.

Ò  Beba muita água, mas apenas engarrafada, lembre-se vc esta em clima de deserto e não seria nada agradável uma desidratação no meio da viagem. Leve roupas leves, por causa do calor.

Ò  Evite as camisetas regata, caso queira evitar graves queimaduras na pele.

Ò  Até 25 de setembro, o Egito está 6 horas adiante do horário de Brasília. No resto do ano, a diferença entre os dois países é de 5 horas.

Ò  Tenha sempre à mão o nome, o endereço e o telefone do hotel no qual está hospedado.

Ò  Vale lembrar algumas regras clássicas e no Egito devem ser mais que cuidadas - andar sozinho à noite- não entrar em bares, boates ou lugares suspeitos - Não comer alimentos de origem duvidosa beber água somente engarrafada .

Ò  Não empolgue-se com a comida regional. Lembre-se sempre de que o seu estômago está acostumado com outro tipo de alimentação. Experimente de tudo, mas com moderação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jornada Sub Mergulho
Av. Pedro Blanco da Silva, 665 - Jundiaí - SP
Fone: (11) 4586-5051 
jornadasub@jornadasub.com.br

Fotos meramente ilustrativas

Direitos Reservados 2010 - 4Link E-Commerce